Arquivo

Posts Tagged ‘scorsese’

2017 em: filmes

dezembro 31, 2017 3:06 pm 1 comentário

Vamos lá, sem procrastinação, aos 38 filmes favoritos de 2017.

Sigo os mesmos critérios adotados nas listas de 2015 e 2016.

O recorte é estritamente pessoal, baseado no meu diário no Letterboxd, considerando lançamentos de circuito e em streaming, atrasadinhos dos dois anos anteriores (2016 e 2015), novidades dos festivais (no caso foi só um, o 50º Festival de Brasília) e das ~locadoras~.

Entram, portanto, todos os longas (de 2015, 2016 e 2017) vistos pela primeira vez em 2017 com nota igual ou superior a 3.5/5 (ou 7/10).

(Obs: Toni Erdmann lideraria, mas vi em 2016.)

Eis:

38
O Estranho que Nós Amamos (The Beguiled), de Sofia Coppola

38 the beguiled

37
Weiner, de Josh Kriegman e Elyse Steinberg

37 weiner

36
O.J.: Made in America, de Ezra Edelman

36 oj made in america

35
Arábia, de João Dumans e Affonso Uchoa

35 arábia

34
A Mulher que Se Foi (Ang Babaeng Humayo), de Lav Diaz

34 woman who left

33
Shock Wave (Chai dan zhuan jia), de Herman Yau

33 shock wave

32
Até o Último Homem (Hacksaw Ridge), de Mel Gibson

32 hacksaw ridge

31
The Day After (Geu-hu), de Hong Sang-soo

31 the day after

30
Apesar da Noite (Malgré la Nuit), de Philippe Grandrieux

30 malgre la nuit

29
Resident Evil 6: O Capítulo Final (Resident Evil: The Final Chapter), de Paul W.S. Anderson

Milla Jovovich

28
Velozes e Furiosos 8 (The Fate of the Furious), de F. Gary Gray

28 the fate of the furious

27
Guerra do Paraguay, de Luiz Rosemberg Filho

27 guerra do paraguay

26
Na Vertical (Rester Vertical), de Alain Guiraudie

26 staying vertical

25
Além das Palavras (A Quiet Passion), de Terence Davies

25 a quiet passion

24
Em Ritmo de Fuga (Baby Driver), de Edgar Wright

Ansel Elgort

23
Nocturama, de Bertrand Bonello

23 nocturama

22
A Longa Caminhada de Billy Lynn (Billy Lynn’s Long Halftime Walk), de Ang Lee

22 billy lynn

21
The Love Witch, de Anna Biller

21 love witch

20
Silêncio (Silence), de Martin Scorsese

20 silence

19
Paterson, de Jim Jarmusch

19 paterson

18
Okja, de Bong Joon-ho

T01 - 41.cr2

17
Corra! (Get Out), de Jordan Peele

Film Title: Get Out

16
Eu Não Sou Seu Negro (I Am Not Your Negro), de Raoul Peck

16 i am not your negro

15
Aliados (Allied), de Robert Zemeckis

15 allied

14
Star Wars: Os Últimos Jedi (Star Wars: Episode VIII – The Last Jedi), de Rian Johnson

14 last jedi

13
The Sleep Curse (Shi Mian), de Herman Yau

13 sleep curse

12
Marjorie Prime, de Michael Almereyda

12 marjorie prime

11
Garoto, de Júlio Bressane

11 garoto

10
Z: A Cidade Perdida (The Lost City of Z), de James Gray

10 lost city ofz

9
Quase 18 (Edge of Seventeen), de Kelly Fremon Craig

9 edge of seventeen

8
A Bride for Rip Van Winkle (Rippu Van Winkuru no hanayome), de Shunji Iwai

8 a bride for rip van winkle

7
Confronto no Pavilhão 99 (Brawl in Cell Block 99), de S. Craig Zahler

7 brawl in cell block 99

6
Bom Comportamento (Good Time), de Benny Safdie e Josh Safdie

6 good time

5
Na Praia à Noite Sozinha (Bamui haebyun-eoseo honja), de Hong Sang-soo

5 on the beach at night alone

4
Godzilla Resurgence (Shin Gojira), de Hideaki Anno e Shinji Higuchi

4 shin gojira

3
John Wick: Um Novo Dia para Matar (John Wick: Chapter 2), de Chad Stahelski

3 john wick2

2
Fragmentado (Split), de M. Night Shyamalan

2 split

1
Twin Peaks, de David Lynch

twin peaks

Anúncios
Categorias:Cinema, Listas Tags:, , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,

2014 em: filmes

dezembro 29, 2014 11:53 am Deixe um comentário

Tive um ano dos mais preguiçosos em termos de cinefilia. Cabulei a Mostra SP — por falta de benjamins — e, ao longo da temporada, ignorei torrents de lançamentos importantes por filmes de catálogo.

Pois bem. Abaixo, segue uma lista simplória com apenas DOZE TRABALHOS vistos pela primeira vez (e cotados a partir de 4/5), entre filmes que estrearam ou não no país em 2014. Stills (meus ou de terceiros) acompanham (e justificam) as escolhas.

Belezuras como Dumb and dumber to, PompeiiNon-stop, Amar, beber e cantar e Jauja são ausências sentidas e carecem de revisão. Sem falar em postulantes de peso para o balanço, como John Wick e The tale of the Princess Kaguya, sequer contemplados na (desorganizada) ~agenda~.

12 Garota exemplar (Gone girl, EUA). De David Fincher

gone girl 12

gone girl 1

(via Apnatimepass)

 

11 Tudo por um furo (Anchorman 2: The legend continues). De Adam McKay

acnrhoamn2

anchorman 2

 

10 Bem-vindo a Nova York (Welcome to New York, EUA). De Abel Ferrara

welcome to new

welcome to ny

 

9 Mockingbird (EUA). De Bryan Bertino

mockingbit

mocking

 

8 Bird people (França). De Pascale Ferran

bird people

bird people (2)

 

7 O lobo de Wall Street (The wolf of Wall Street, EUA). De Martin Scorsese

THE WOLF OF WALL STREET

(via Collider)

 

6 Expresso do amanhã (Snowpiercer, Coreia do Sul/República Tcheca/EUA/França).
De Bong Joon-ho

Snowpiercer_69

Snowpiercer_142

(via Film Captures)

 

5 Nossa Sunhi (U ri Sunhi, Coreia do Sul). De Hong Sang-soo

sunhi 1

sunhi 2

 

4 La jalousie (O ciúme, França). De Philippe Garrel

bscap488553796

bscap488554718

 

3 Jersey Boys: Em busca da música (Jersey Boys, EUA). De Clint Eastwood

jersye

jersey boys

 

2 Adeus à linguagem (Adieu au langage, Suíça/França). De Jean-Luc Godard

bscap914746734

bscap915733953

 

1 Era uma vez em Nova York (The immigrant, EUA). De James Gray

bscap555693046

bscap563108531

Conversas com Scorsese

junho 6, 2012 2:48 am Deixe um comentário

“Durante anos convivi com uma parte de um cartaz de seis folhas de Vidas amargas. Seis folhas é um cartaz gigante, basicamente. Mas não tinha a maior parte dele, só uma imagem do meio. Mandei emoldurar. Ficou em cima do sofá em Los Angeles durante algum tempo e agora está no cofre. Era só James Dean e Lois Smith num corredor escuro; ele se preparando para seguir pelo corredor até o quarto da mãe. Kazan foi jantar em casa uma noite e ficou tão emocionado com aquilo. Passava todo o medo de descobrir o que havia no fim do corredor, o que havia no quarto. Não havia letras, nada, apenas aquela imagem. O cartaz de uma folha de Vidas amargas não evoca o filme para mim da mesma forma.

Bom, é absurdo — você não pode possuir o filme porque não o fez, e não pode possuir o momento em que o filme foi projetado. É como perseguir um fantasma. O único jeito de possuir um filme é fazer os seus próprios. Mas eles não chegam nem perto dos filmes que te influenciaram ou impressionaram quando você estava em seus anos de formação. Então você tenta captar alguma coisa deles.”

Conversas com Scorsese (Conversations with Scorsese, EUA, 2010). De Richard Schickel. Tradução: José Rubens Siqueira. Cosac Naify (2011), 528 páginas.

Cavalo de guerra

janeiro 7, 2012 11:37 am Deixe um comentário

Quando saíram as primeiras imagens de Cavalo de guerra (3/5, 65/100), confesso que me diverti bastante cá com meus pensamentos maldosos. Para o meu azar, demorei alguns dias para atinar que o material era do novo filme do Spielberg, o entertainer responsável por alguns dos (vários) filmes — pelas bobagens? sim, pelas bobagens — mais importantes da minha vida.

E eis que nesta listinha, para alguns risível de tão clichê, para mim essencial, desfilam coisas como E.T., Jurassic park, Tubarão, Os caçadores da arca perdida, A.I. e, mais tardiamente, meu favorito de todos, Contatos imediatos de terceiro grau. Voltemos ao lançamento.

Cavalo de guerra, como todos os filmes do homem, é um baita de um exagero: 146min de uma saga ambientada na WWI, em que um cavalo bonito e indomável passa de herói de uma família inglesa — treinado por um jovem de olhares e gestos deslumbrados, ele ara a terra e salva a pele dele e dos seus pais — a sobrevivente de um conflito mundial.

Nesta grande novela formatada para o público Touchstone/Disney — o que significa dizer que não há sequer um pingo de sangue –, o cavalo conhece um bocado de gente: após morar na fazendinha do pobre garoto, ele é vendido a um oficial britânico assim que a guerra começa. Depois, muda de front e é cuidado por dois gentis irmãos alemães — que falam inglês.

Uma garotinha francesa — que fala inglês — e seu avô também são honrados com a presença do animal. Nosso herói, de novo, é capturado pelo front inimigo. Foge, trota entre tiroteios de trincheiras americanas e alemãs — (alerta spoiler) por causa dele, um soldado americano vira amigo de um alemão. Até aqui, mesmo sem ter visto o filme, você já sabe qual deve ser a última parada do protagonista.

Spielberg é mestre em narrar pequenas histórias de abandono e, também, melodramas (históricos) para emocionar milhões, bilhões. Sabe, como poucos, humanizar (dramatizar) personagens não humanos. Aliens, dinossauros, um tubarão que pouco vemos na tela, um robô que mais parece gente. E, agora, um cavalo perdido que é mais importante que os batalhões de soldados, que as rivalidades entre nações e mais uma porçao de fatos importantes que, quer saber, pouco importam para Spielberg e seus espectadores.

Esses sessentões/setentões da Nova Hollywood andam nostálgicos — levam a Velha Hollywood, e não a Nova Hollywood, para dentro dos seus filmes. Scorsese rodou O aviador com a pompa de um filme dos anos 1930. Ilha do medo, como um noir dos anos 40. Não vi Hugo, mas é claramente um tributo (em 3D) às origens do cinema. Spielberg filmou a última aventura de Indy Jones como se estivesse nos anos 1980 — não à toa, meteu o bedelho em Super 8 e Gigantes de aço, duas aventuras com cara e coração da década perdida.

Cavalo de guerra, e muita gente já disse isso por aí, lembra a época em que Hollywood estava descobrindo a cor e as possibilidades do scope: a historinha que ele quer contar pode ser (e é) ingênua demais — aqui, ele força a barra mesmo –, mas os planos têm a seriedade e o compromisso de um John Ford. Spielberg enquadra seus personagens em locação, mas usa fotografia e iluminação de estúdio. Tudo (belamente) antiquado.

Talvez eu tenha sido enganado por meia dúzia de cenas estonteantes, pela inocência quase irritante dos personagens — é incrível como, em todo filme do Spielberg, as atuações me parecem sempre caricaturas dóceis, propositalmente mansas e infantis –, pelo retorno do Spielberg choroso de A.I. Na verdade, eu sempre fui enganado por ele — e muito bem enganado.

Minha Mostra

outubro 30, 2011 11:17 pm Deixe um comentário

Já chamo só de Mostra (Internacional de Cinema em São Paulo) porque foi, de verdade, especial. Não por causa das projeções atrasadas — que, às vezes, nem aconteciam –, dos paulistanos estressados nas filas e bilheterias, do projecionista angustiado da primeira sessão, protelada e por fim exibida sem legendas, de Habemus papam, que gritou “calem a boca!”, em resposta às manifestações nervosas da plateia, e depois remendou com um grito de “desculpa!”; nem pela moça da organização que, ao ser perguntada sobre a chegada da cópia de Caverna dos sonhos esquecidos, disse para uma colega que Caverna do dragão (sim, aquele desenho sinistro) estava, por enquanto, cancelado. Não por essas coisas.

6 (primeiros) dias, na companhia de outros aficionados, 23 filmes inéditos. 24 com a cópia digital e restaurada de Taxi driver, aquela de Berlim. Vi o filme da minha vida na telona, quase que sussurrando as falas decoradas e cantarolando a trilha junto com De Niro e Herrmann; e sentindo uma sensação completamente nova com a obra-prima de Scorsese. Pela primeira vez, via o título com outras pessoas — a maioria cinéfilas. E elas riram quando Travis chama Betsy para sair de um jeito brusco, inadequado — eficiente, sim. Riram quando ela diz que seu disco favorito é um do Kris Kristofferson. E outras vezes também: a primeira aparição de Sport (Harvey Keitel, num de seus poucos papéis vestidos), dançando sem tirar os pés do chão, Travis conversando com Palantine em seu táxi sem saber nadinha de política.

Mas ficaram caladas, deixando um murmúrio perturbado no ar, quando: Sport enumera as atividades sexuais de Iris (Jodie Foster, desde pequena com ar confiante), Iris entra num quartinho de hotel barato com Travis, Travis diz que quer tirar a garota daquelas esquinas sujas e mal frequentadas, comentários racistas saltam do roteiro de Paul Schrader, Scorsese observa a silhueta da esposa, que o trai, e pergunta a Travis se ele sabe o que uma .44 Magnum pode fazer ao rosto e às partes de uma mulher, e a catarse sangrenta, incontrolável de esguichos, berros, tiros. Sick, venal. Foi a minha catarse: vi no cinema. Pronto. Feito.

Fora isso — e isso tudo = 90% da viagem –, vi coisas muito boas (1 O garoto de bicicleta, 2 Era uma vez na Anatólia, 3 The day he arrives), coisas muito ruins (1 As ondas, 2 Em algum lugar esta noite, 3 A ilusão cômica), andei no metrô de São Paulo (a estação Alto do Ipiranga parece saída da trilogia Fundação, do Asimov), caminhei um bocado na Augusta, Paulista, Pamplona, Frei Caneca.

Na próxima edição, quero a Mostra por inteiro — mesmo sem Taxi driver.

That’s entertainment

março 19, 2011 2:07 am 4 comentários

It was like a peak you reach, and then it’s downhill.

An up-and-comer who’s now a down-and-outer

Robert De Niro, em Touro indomável

 

 

 

 

 

 

 

Scorsese é o meu diretor favorito: move a câmera com apreensão, urgência, um detalhista quase doentio. Sempre me identifiquei com seus personagens decadentes e abrasivos. Eu, de certa maneira, me vejo como Jake LaMotta: incapacidade, imobilidade e limitação de um homem que não consegue ser mais do que é e sempre foi. Ele, um perturbado pela baixa autoestima, pela insegurança com as mulheres; eu, um solitário autocomiserativo e conformado com ranhuras semelhantes.

Num dos momentos mais assombrosos, LaMotta bate com a cabeça na parede e depois a esmurra, repetindo para si, “idiota, idiota”.

Ele resolve suas angústias brutalmente, ferindo a testa e as mãos. Eu escrevo.