Arquivo

Archive for the ‘Cinema’ Category

2016 em: filmes

dezembro 30, 2016 12:38 am Deixe um comentário

Bem, se você chegou aqui, é porque sobreviveu ao tenebroso 2016.

Sem procrastinação, vamos logo às regrinhas básicas que me levaram a eleger os meus 36 (!) filmes favoritos de 2016. Isso mesmo, a lista é PARRUDA, um tanto ATREVIDA (sim, tem Michael Bay e Marco Bellocchio) e faz uma óbvia homenagem ao Wu Tang-Clan.

– Mantenho o critério inventado em 2015. Portanto, coloco aqui, em ordem de preferência, todos os filmes dos últimos três anos (2014, 2015, 2016) vistos pela primeira vez em 2016 e avaliados com cotação igual ou superior a 3.5/5. A base de consulta para o que vi ao longo do ano é o diário que atualizo no Letterboxd

– Entram na listinha filmes 1) lançados no circuito comercial brasileiro e em plataformas de streaming, 2) lançados nas ~locadoras~, 3) atrasadinhos de 2015 que acabei vendo só em 2016 e 4) inéditos no circuito e nas ~locadoras~ que vi em festivais (Brasília e Rio), como Beduíno, Manchester à Beira-Mar, Personal Shopper etc

– Vale lembrar que certos lançamentos tardios do circuitão entraram em listas de anos passados. De cabeça, só consigo lembrar mesmo de A Assassina, que vi em 2015 mas só estreou no Brasil em 2016

Eis:

36
Hush – A Morte Ouve (Hush), de Mike Flanagan

hush

35
Os Campos Voltarão (Torneranno i prati), de Ermanno Olmi

bscap0002

34
13 Horas – Os Soldados Secretos de Benghazi (13 Hours), de Michael Bay

13-hours

33
O Peso do Silêncio (The Look of Silence), de Joshua Oppenheimer

the-look-of-silence

32
Sangue do Meu Sangue (Sangue del Mio Sangue), de Marco Bellocchio

bscap0001

31
Cemitério do Esplendor (Rak ti Khon Kaen), de Apichatpong Weerasethakul

bscap0002

30
Chi-Raq, de Spike Lee

bscap0012

29
Califórnia, de Marina Person

29-california

28
A Grande Aposta (The Big Short), de Adam McKay

28-big-short

27
O que Está Por Vir (L’avenir), de Mia Hansen-Løve

bscap0002

26
O Futebol, de Sérgio Oksman

futebol

25
A Canção do Pôr do Sol (Sunset Song), de Terence Davies

bscap0000

24
Para o Outro Lado (Kishibe no tabi), de Kiyoshi Kurosawa

bscap0000

23
As Montanhas se Separam (Shan he gu ren), de Jia Zhangke

festivals_mountainsmaydepart

22
O Cheiro da Gente (The Smell of Us), de Larry Clark

bscap0000

21
Aquarius, de Kleber Mendonça Filho

aquarius

20
The Phenom, de Noah Buschel

phenom

19
The Mermaid (Mei ren yu), de Stephen Chow

the-mermaid

18
Amor, Drogas e Nova York (Heaven Knows What), de Ben e Joshua Safdie

heaven

17
Creed – Nascido para Lutar (Creed), de Ryan Coogler

Creed06254.dng

16
Personal Shopper, de Olivier Assayas

PERSONAL.jpg

15
Você e os Seus (Dangsin Jasingwa Dangsinui Geot), de Hong Sang-soo

yourselfandyours_06.jpg

14
Os Oito Odiados (The Hateful Eight), de Quentin Tarantino

HATEFUL.jpg

13
Beduíno, de Júlio Bressane

BEDUINO.jpg

12
O Cavalo de Turim (A torinói ló), de Béla Tarr e Ágnes Hranitzky

bscap0004

11
Creepy, de Kiyoshi Kurosawa

creepy

10
Jovens, Loucos e Mais Rebeldes (Everybody Wants Some!!), de Richard Linklater

EVERYBODY.jpg

9
Three (San ren xing), de Johnnie To

threeee

8
Certo Agora, Errado Antes (Ji-geum-eun-mat-go-geu-ddae-neun-teul-li-da), de Hong Sang-soo

right-now

7
Certas Mulheres (Certain Women), de Kelly Reichardt

certain

6
SPL 2 – A Time for Consequences (Saat po long 2), de Soi Cheang Pou-Soi

spl-2

5
Sully – O Herói do Rio Hudson (Sully), de Clint Eastwood

sully

4
Manchester à Beira-Mar (Manchester by the Sea), de Kenneth Lonergan

MANCHESTERBYTHESEAExclusive_MichelleWilliamsandCaseyAffleck_Cred1471628165-1.jpg

3
Carol, de Todd Haynes

carol

2
Elle, de Paul Verhoeven

elle

1
Toni Erdmann, de Maren Ade

TONI.jpg

Categorias:Cinema, Listas Tags:, , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,

2015 em: filmes

dezembro 31, 2015 11:48 am 1 comentário

LISTAR deve ser o verbo favorito de qualquer cinéfilo, penso eu. Por isso, deixo aqui um recorte — puramente particular — de meus filmes favoritos de 2015.

Atenção para os dois CRITÉRIOS:

1) seleciono apenas títulos de 2014-2015 que vi pela primeira vez neste ano, entre lançamentos nos cinemas/blu-ray e torrents

2) todos os escolhidos têm cotação igual ou superior a 3.5/5 — como vivi um ano bastante relapso, resolvi estender a HONRARIA a longas abaixo de 4/5

Portanto, não estão contempladas certas BELEZURAS que conheci em anos anteriores, mas que só estrearam no BR este ano — Expresso do Amanhã, Norte, o Fim da História e Adeus à Linguagem, por exemplo, já mencionadas em listinhas passadas.

Cada eleito vem ESCOLTADO por um plano que considero mui representativo — os prints são de minha curadoria, com exceção de Ponte dos Espiões e Quintal.

Eis:

21
Pasolini
Abel Ferrara

pasolini

 

20
Exorcistas do Vaticano (The Vatican Tapes)
Mark Neveldine

the vatican tapes

 

19
Bata Antes de Entrar (Knock Knock)
Eli Roth

knock knock

 

18
Missão: Impossível – Nação Secreta (Mission: Impossible – Rogue Nation)
Christopher McQuarrie

mission impossible rogue nation

 

17
Ricki and the Flash
Jonathan Demme

ricki and the flash

 

16
A Travessia (The Walk)
Robert Zemeckis

the walk

 

15
A Assassina (Nie yin niang)
Hou Hsiao-Hsien

the assassin

 

14
O Destino de Júpiter (Jupiter Ascending)
The Wachowskis

jupiter ascending

 

13
Um Amor a Cada Esquina (She’s Funny That Way)
Peter Bogdanovich

she's funny that way

 

12
Quintal
André Novais Oliveira

quintal

 

11
O Conto da Princesa Kaguya (Kaguyahime no monogatari)
Isao Takahata

the tale of princess kaguya

 

10
Sniper Americano (American Sniper)
Clint Eastwood

american sniper

 

9
Montanha da Liberdade (Ja-yu-eui eon-deok)
Hong Sang-soo

hill of freedom

 

8
Dívida de Honra (The Homesman)
Tommy Lee Jones

the homesman

 

7
Office (Hua li shang ban zu)
Johnnie To

office

 

6
Ponte dos Espiões (Bridge of Spies)
Steven Spielberg

ST. JAMES PLACE

 

5
A Visita (The Visit)
M. Night Shyamalan

the visit

 

4
Mad Max: Estrada da Fúria (Mad Max: Fury Road)
George Miller

mad max fury road

 

3
Corrente do Mal (It Follows)
David Robert Mitchell

it follows

 

2
Phoenix
Christian Petzold

phoenix

 

1
Blackhat
Michael Mann

blackhat

2014 em: filmes

dezembro 29, 2014 11:53 am Deixe um comentário

Tive um ano dos mais preguiçosos em termos de cinefilia. Cabulei a Mostra SP — por falta de benjamins — e, ao longo da temporada, ignorei torrents de lançamentos importantes por filmes de catálogo.

Pois bem. Abaixo, segue uma lista simplória com apenas DOZE TRABALHOS vistos pela primeira vez (e cotados a partir de 4/5), entre filmes que estrearam ou não no país em 2014. Stills (meus ou de terceiros) acompanham (e justificam) as escolhas.

Belezuras como Dumb and dumber to, PompeiiNon-stop, Amar, beber e cantar e Jauja são ausências sentidas e carecem de revisão. Sem falar em postulantes de peso para o balanço, como John Wick e The tale of the Princess Kaguya, sequer contemplados na (desorganizada) ~agenda~.

12 Garota exemplar (Gone girl, EUA). De David Fincher

gone girl 12

gone girl 1

(via Apnatimepass)

 

11 Tudo por um furo (Anchorman 2: The legend continues). De Adam McKay

acnrhoamn2

anchorman 2

 

10 Bem-vindo a Nova York (Welcome to New York, EUA). De Abel Ferrara

welcome to new

welcome to ny

 

9 Mockingbird (EUA). De Bryan Bertino

mockingbit

mocking

 

8 Bird people (França). De Pascale Ferran

bird people

bird people (2)

 

7 O lobo de Wall Street (The wolf of Wall Street, EUA). De Martin Scorsese

THE WOLF OF WALL STREET

(via Collider)

 

6 Expresso do amanhã (Snowpiercer, Coreia do Sul/República Tcheca/EUA/França).
De Bong Joon-ho

Snowpiercer_69

Snowpiercer_142

(via Film Captures)

 

5 Nossa Sunhi (U ri Sunhi, Coreia do Sul). De Hong Sang-soo

sunhi 1

sunhi 2

 

4 La jalousie (O ciúme, França). De Philippe Garrel

bscap488553796

bscap488554718

 

3 Jersey Boys: Em busca da música (Jersey Boys, EUA). De Clint Eastwood

jersye

jersey boys

 

2 Adeus à linguagem (Adieu au langage, Suíça/França). De Jean-Luc Godard

bscap914746734

bscap915733953

 

1 Era uma vez em Nova York (The immigrant, EUA). De James Gray

bscap555693046

bscap563108531

Manhunter

dezembro 7, 2014 1:26 pm Deixe um comentário

Só comecei dias atrás a segunda temporada de Hannibal, após meses de intensa procrastinação. Boa série, apesar do excesso de barroquismo. Os episódios dirigidos por Guillermo Navarro (são três, todos da primeira temporada) merecem atenção.

Lá pelo quarto episódio, um tanto cansado daquele cozimento em fogo baixo típico de toda e qualquer NOVELA, lembrei que poderia, ainda em atmosfera lecteriana, preencher uma importante lacuna: Manhunter (1986), de Michael Mann.

E o filme é bem o que você espera de algo assinado por Mann. Em vez de desenvolver um procedural drama, o diretor mostra-se preocupado em estabelecer um confronto visual entre perfis opostos (Graham, o ex-agente do FBI, e o serial killer Tooth Fairy). Faces que representam a harmonia familiar (o policial traumatizado encontrou a paz no lar) ou o extermínio à guisa de catarse (o assassino mata o que não tem e nunca teve, pai, mãe e filhos/irmãos, para daí forjar algum afeto).

1
3
5
8
10
12
14
15
16
18
19
20
21
22
23
24
26
27
28
29
30
32
33
34
35
36
37
38
39

Need for Speed

outubro 13, 2014 12:15 am Deixe um comentário

Queria ter retomado o blog com uma THINK PIECE de 8 mil toques sobre o melhor (empatado com Like Someone in Love) filme da década de 2010, The Immigrant.

Instead, catei uns stills lindos de Need for Speed — isso mesmo. Pois: 1) é a obra vulgar mais subestimada do ano; 2) é a adaptação cinematográfica de videogame mais satisfatória desde Silent Hill (2006) — houve alguma outra que prestou?; 3) não, não é um car porn à Fast & Furious, mas uma crônica (imberbe e convincente a ponto de empolgar) do culto a motores, chassis e pistas rápidas. (Tirei esse terceiro argumento do texto mui esperto do Ignatiy Vishnevetsky.)

bscap663611140

bscap665610281

bscap667154843

bscap668711390

bscap669425234

bscap693507093

2013 em: filmes

janeiro 1, 2014 2:42 pm Deixe um comentário

O critério para a seguinte lista é um e somente um: enumero aqui filmes recentes com cotação mínima 4/5 (quatro estrelas em cinco) que vi em 2013 — entre lançamentos no cinema e nos torrents.

Portanto, coisas assistidas em anos anteriores (Era uma vez na Anatólia, O som ao Redor, Tabu e A visitante francesa) e exibidas nos cinemas brasileiros em 2013 não entram na seleção.

Após meu TOP DEZESSETE, faço também um apanhado dos melhores exemplares de vulgar auteurism da dúzia de meses que se passou.

Obs: vou seguir o bom exemplo de outras listas e, em vez de escrever bobagens apressadas, deixo links das minhas leituras favoritas.

Vai:

17 O voo (Flight, EUA). De Robert Zemeckis

Escrevi sobre o filme mais spielberguiano de 2013 aqui. E recomendo essa entrevista (antiga) do Zemeckis para o Dave Kehr.

flight

16 A cidade é uma só? (Brasil). De Adirley Queirós

A leitura dessa crítica entusiasmada escrita por Daniel Dalpizzolo, quando da exibição do filme em Tiradentes 2012, é obrigatória.

a cidade é uma só

15 Amor profundo (The deep blue sea, EUA/Inglaterra). De Terence Davies

Leia o que a Dana Stevens escreveu sobre.

deep blue sea

14 O mestre (The master, EUA). De Paul Thomas Anderson

Eis um texto do Ignatiy Vishnevetsky e outro do amigo Virgílio.

the master

13 Searching for Sugar Man (Suécia/Inglaterra). De Malik Bendjelloul

Deixo a (falsa) modéstia de lado e divulgo o melhor texto que escrevi em 2013.

sugar man

12 Passion (Alemanha/França). De Brian De Palma

Se você também achou o último De Palma subestimado à beça, leia: essa entrevista na Film Comment e esse texto bastante preciso do Vadim Rizov.

passion

11 Círculo de fogo (Pacific Rim, EUA). De Guillermo del Toro

O Tiago Lopes escreveu um artigo mui interessante sobre a diferença da violência mostrada aqui daquela mascarada em todos os outros blockbusters de 2013.

SSD-01682.DNG

10 The world’s end (Inglaterra). De Edgar Wright

Recomendo fortemente: as várias impressões do Calum Marsh.

The World's End

9 Amor bandido (Mud, EUA). De Jeff Nichols

A.O. Scott escreveu um curto, mas preciso texto sobre a aura folk e aventureira do filme.

mud 2012

8 Antes da meia-noite (Before midnight, EUA). De Richard Linklater

Um breve artigo de Will Leitch sobre como o último capítulo da trilogia Before é sombrio, pesado e difícil de ser visto.

before midnight

7 O ato de matar (The act of killing, Dinamarca/Noruega/Inglaterra/Finlândia). De Joshua Oppenheimer

O documentário do ano. Eis um baita texto sobre, na Film Comment.

act of killing

6 A hora mais escura (Zero dark thirty, EUA). De Kathryn Bigelow

Sou #TeamBigelow, então escrevi brevemente sobre na minha prévia do Oscar, mas recomendo mesmo é essa reflexão do Vishnevetsky.

Scene from movie 'Zero Dark Thirty'

5 Killer Joe – Matador de aluguel (Killer Joe, EUA). De William Friedkin

Esse texto do Marcelo Hessel, no Omelete.

killer joe

4 Um toque de pecado (Tian zhu ding, China). De Jia Zhangke

Entrevista em duas partes (aqui e aqui) do diretor ao blog Sinosphere, do The New York Times.

a touch of sin

3 Norte, o Fim da História (Norte, hangganan ng kasaysayan, Filipinas). De Lav Diaz

Dois belos artigos: a apreciação/entrevista do Daniel Kasman e as impressões do Filipe Furtado, na Cinética. Ah, e também escrevi umas coisas.

norte the end of history

2 Drug war (Du zhan, China/Hong Kong). De Johnnie To

Mais lindo filme de ação desde Heat. Leia: meu poeminha dedicado ao filme e os elogios de Filipe Furtado, Sean Gilman e Peter Labuza.

drug war

1 Bastardos (Les salauds, França/Alemanha). De Claire Denis

Entrevistas apaixonantes da Claire na Cinética e na Cléo + apreciação/conversa com Daniel Kasman e a crítica de Juliano Gomes na Cinética.

les salauds

Os vulgares (e subestimados) — em ordem aleatória

Man of tai chi (EUA/China/Hong Kong). De Keanu Reeves

Mais um do Vishnevetsky, agora sobre o actor-auteur do ano.

man of tai chi

—-

As bem-armadas (The heat, EUA). De Paul Feig

Essa crítica mui divertida do Peter Labuza.

the heat

The canyons (EUA). De Paul Schrader

Leia o texto sensacional do Vadim Rizov.

the canyons

Riddick 3 (Riddick, EUA/Inglaterra). De David Twohy

Sobre o filme mais hawksiano de 2013, leia: o tuíte-expectativa do amigo Guilherme Gaspar + o texto do Emmet.

riddick 3

Parker (EUA). De Taylor Hackford

Matt Singer, sobre a melhor cena da carreira de Jason Statham.

parker

Depois da terra (After earth, EUA). De M. Night Shyamalan

Eis uma roundtable deliciosa, no blog The Vulgar Cinema.

after earth

Sobrenatural: capítulo 2 (Insidious: chapter 2, EUA). De James Wan

O plano mais ousado do cinema comercial americano em 2013 está aqui — aquele longo travelling após o prólogo, que começa na abertura de uma porta vermelha e termina no rosto de Rose Byrne. Coisa linda.

IL1A1630.CR2

Europa report (EUA). De Sebastián Cordero

Uma espécie de The Abyss para a era do found footage.

europa report

Velozes & furiosos 6 (Furious 6, EUA). De Justin Lin

A sério: o melhor da franquia, seguido de perto pelo 5. E a coisa só deve melhorar no sétimo, com direção do James Wan.

fast-2

Mostra São Paulo – Dia 4/5

outubro 29, 2013 10:15 am Deixe um comentário

Tive uma segunda-feira de filmes sofridos, úmidos e esfomeados. Em comum, famílias estilhaçadas por crises econômicas de seus países. Cães errantes (Taiwan), o drama de planos de 8-a-12-min de Tsai Ming-liang, o fraco Caméra d’Or desse ano em Cannes, Ilo Ilo (Cingapura), e o raivoso documentário Tempos de Lobo (Grécia).

stray dogs

Cães errantes (Jiao you, França/Taiwan, 2013). De Tsai Ming-liang. 3/5.

Chove quase todo dia e as únicas pessoas que vemos nas ruas e calçadas de Taipei são estátuas humanas segurando anúncios de venda de imóveis caros. Um deles é um pai que cuida de dois filhos, não tem onde morar e abriga sua família como pode — em prédios abandonados, mofados, mas minimamente seguros. De dia, enquanto o pai levanta a placa por horas a frio, sob chuva e frio, seus dois filhos, um garoto e uma garota, andam por supermercados em busca de amostras de comida.

Ming-liang observa cada ato cotidiano dessa família, do semáforo fechado em mais um dia de trabalho a uma desesperada (e rara) refeição, em sua inteireza. Do começo ao fim, em planos estáticos e enervantes — o pai de família despedaçando uma coxa de frango, esse mesmo pai tentando mover um barco pesado à beira de um rio, cantando (e chorando) na chuva e seduzindo, mordendo e pranteando sobre o repolho que sua filha tem como principal brinquedo.

Argumentada a imobilidade social — a família não está determinada a buscar redenção ou superação; apenas vive como pode –, Ming-liang então transforma, na segunda metade de filme, esses escombros num drama doméstico, provocado pela chegada de uma mulher que traz consigo lembranças dolorosas. As ruas, pântanos e vielas dão lugar a interiores de paredes escuras e descascadas e as tais cenas longas de contenção/explosão dramática tornam-se agora intermináveis enquadramentos silenciosos. Existem dois filmes distintos sobre a precariedade da vida contemporânea nos 138 minutos de Cães errantes — um cru e outro barroco. Fico com o primeiro.

 

Ilo Ilo (Cingapura, 2013). De Anthony Chen. 2.5/5.

Mais uma prova de que o Caméra d’Or, o prêmio de Cannes para filmes de estreia, adquiriu, nos últimos anos, a relevância de um Oscar (mal dado). Isto é: pouca ou nenhuma. Ambientado no final dos anos 1990, época de recessão econômica em Cingapura, Ilo Ilo justifica, aliás, a sua pré-indicação à estatueta de produção estrangeira em cada cena doce e tragicômica sobre as crises de uma família de classe média (pai atrapalhado, mãe grávida e trabalhadora, filho hiperativo) em contato com uma doméstica (a ótima Angela Bayani, que também atua em Norte, o Fim da História) vinda da província filipina que empresta título ao filme.

Com uma câmera que delimita as posições de cada personagem em cena — membros da família separados, a estrangeira como elo –, Chen conduz um dramedy paternalista, pouco interessado nas questões de xenofobia e exclusão sugeridas no início, mas, claro, muitíssimo preocupado em banhar a relação de pequeno patrão (o tal garoto-problema) e empregada de sentimentalismo.

 

Tempos de lobo (Sto lyko, Grécia/França/Inglaterra, 2013). De Aran Hughes e Christina Koutsospyrou. 2/5.

Imagens de pouca definição registram vidas deformadas pela crise econômica num vilarejo grego habitado por donas de casa e pastores do campo. São homens reclamões e beberrões e mulheres resistentes. Todos se protegem do frio com cigarros e lamentos constantes sobre os políticos corruptos e os banqueiros devoradores de dinheiro. Entendo o ressentimento, mas há um fatalismo mórbido e cômico que — pelo menos para mim — soou como autodepreciação ensaiada — por vezes digna de um mockumentary — e propositalmente corrosiva.